Florada dos ipês é atrativo para visitação aos parques e Paço Municipal e colore Várzea Grande


As árvores de ipês são consideradas de grande porte e entre os meses de julho e setembro perdem todas as folhas e ficam cobertas pelas flores

O período de transição entre o inverno e a primavera é um momento bastante esperado em Várzea Grande, pois marca o início da temporada da florada dos ipês - árvore símbolo do cerrado brasileiro - promovendo um imenso festival de cores que pode ser visto de perto, de longe, apreciado e fotografado de vários pontos da cidade, inclusive no Paço Municipal, que reúne inúmeros ipês de tom rosa.

As árvores espalhadas pelo Paço estão servindo de cenários para selfies de servidores e de visitantes, que se encantam com as flores que vão caindo dos galhos e formando um tapete rosado sobre as calçadas e o gramado que margeiam a sede da prefeitura.

Nessa semana, a florada dos ipês acelerou por toda a cidade, se tornando um diferencial, inclusive, sobre as margens do rio Cuiabá, no bairro Alameda. Da ponte, já é possível avistar o colorido único das árvores.

A exuberância dessas árvores se tornou um convite à contemplação e um cartão postal para quem gosta de registrar momentos como esses, que ocorrem uma vez por ano e duram no máximo 15 dias. Sem pressa, a população pode apreciar a florada nos parques municipais, como o Parque Ecológico Tanque do Fancho, ao lado do Paço Municipal, como também no Parque Flor do Ipê, localizado no bairro de mesmo nome, próximo à ponte Sérgio Motta, no Cristo Rei.

No Parque Ecológico Tanque do Fancho, os ipês são árvores nativas e dão cor à reserva localizada no coração de Várzea Grande. A florada no Parque se tornou nos últimos dias uma ótima opção de cenário para fotos e encantamento das famílias que frequentam o local.

No Parque Flor do Ipê, as árvores estão por todo o canto, e dão nome ao local. As trilhas de caminhadas passaram a ser muito mais agradáveis, sendo um atrativo a mais, aos adeptos de caminhadas e praticantes de esporte, nessa época do ano, com o novo cenário desenhado e colorido pelos ipês.

NATUREZA - As árvores de ipês são consideradas de grande porte e entre os meses de julho e setembro perdem todas as folhas e ficam cobertas pelas flores. O ipê é uma árvore do gênero Tabebuia (antes Tecoma), pertencente à família das bignoniáceas, podendo ser encontrada em seu estado nativo por todo o Brasil. Há muitos séculos, o ipê - também chamado de pau-d’arco, no Norte - vem sendo apreciado tanto pela excelente qualidade de sua madeira, quanto por seus efeitos ornamentais, decorativos, e até medicinais.

A árvore do ipê é alta, bem copada e, no período da floração, apresenta uma peculiaridade: fica totalmente desprovida de folhas. Estas dão lugar às flores - amarelas-ouro, brancas ou roxas – que estampam belas manchas coloridas nas paisagens do País. O ipê floresce de julho a setembro e frutifica em setembro e outubro. Sua madeira é bela, de cor castanho-oliva ou castanho-avermelhada, e com veios resinosos mais escuros.

A casca, a entrecasca e a folha do ipê possuem propriedades medicinais, sendo utilizadas no tratamento de amidalites, estomatites, infecções renais, dermatites, varizes e certas doenças dos olhos. Elas são consideradas também como antidiarréicas, antiinflamatórias, antiinfecciosas, antitumorais, febrífugas e cicatrizantes.