Programa Muxirum de Alfabetização em Várzea Grande contemplou 880 jovens e adultos


'O Programa Muxirum da Alfabetização, contribuiu decisivamente para reduzir o índice de 12 % de evasão sobre as mais de 1000 matrículas iniciais', diz Silvio Fidelis

O Programa Muxirum de Alfabetização promovido pela Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso está avançando em Várzea Grande, município que registra o maior número de alunos inscritos e beneficiados, contemplando 880 jovens e adultos. Técnicos da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, responsáveis pelo desenvolvimento do programa no município têm organizado diversas formações para os alfabetizadores no Núcleo Tecnológico Municipal – NTM, com o objetivo de auxiliar o processo educacional para promover a aprendizagem ativa e significativa dos alfabetizandos.

O secretário Silvio Fidelis acredita que o ciclo de formação inicial e continuada, implementado pela Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande, nos primeiros seis meses do Programa Muxirum da Alfabetização, contribuiu decisivamente para reduzir o índice de 12 % de evasão sobre as mais de 1000 matrículas iniciais, encerrando o programa com 880 alunos, divididos em 84 turmas em 35 bairros na área urbana e rural, orientados por 64 alfabetizadores do município.

De acordo com a coordenadora do Muxirum da Alfabetização em Várzea Grande, Carmen Guiuntini, desde o início da implantação do programa, quatro cursos de capacitação presencial e semipresencial foram ofertados aos alfabetizadores. As formações proporcionam aos alfabetizadores, atitudes em relação aos alunos na concepção da prática de ação-reflexão-ação, que objetivam direcionar o processo na alfabetização dos jovens, adultos e idosos, a fim de realizarem suas funções de alfabetizadores populares. “Adquirindo habilidades para refletir sobre as práticas de ensino em sala de aula respeitando os limites, espaços e tempo dos alunos, levando em consideração seu conhecimento prévio nessa vertente, o alfabetizador pode trabalhar temas relevantes de maneira que sejam dinâmicas e incentivadoras, proporcionando assim um melhor aprendizado ao aluno,” revelou.

“Para que obtivéssemos momentos de aprendizagem e trocas de experiências entre o grupo, procuramos proporcionar sempre um espaço agradável para o aprendizado com um clima acolhedor e prazeroso, incorporando essa dimensão do processo educacional à sua prática de ensino”, disse Carmem. 

Carmem explica ainda que durante as formações realizadas, os técnicos procuram sempre criar uma expectativa para os próximos encontros, valorizando o conhecimento e a contribuição de todos, ouvindo atentamente as opiniões e incentivando todos os participantes a assimilarem a  aprendizagem para  transmitir com segurança aos seus alunos o conhecimento, procurando sempre trabalhar de forma interativa

“Não devemos garantir somente o acesso, mas também à permanência desses alfabetizandos que, em algum momento educacional já foram excluídos. O ponto chave do programa Muxirum é a inclusão social e dar condição ao aluno o livre acesso ao mundo letrado, saindo da estagnação do analfabetismo para um voo ao conhecimento. A partir daí, desvendar os mistérios da própria vida”, defendeu.