Saúde faz alerta para medidas de combate ao Aedes durante período de chuvas


Desde janeiro até a data de hoje (27), Várzea Grande registrou 4.820 casos confirmados de doenças transmitidas pelo Aedes

Com a chegada do verão e período de chuvas para Mato Grosso, é preciso redobrar os cuidados para eliminar os focos do Aedes aegypti, transmissor das doenças: dengue, zika vírus e chikungunya. O alerta é feito pela Secretaria Municipal de Saúde de Várzea Grande, que nessa época o clima fica mais quente e úmido, os ovos do mosquito se eclodem com mais facilidade aumentando a proliferação. A orientação é de redobrar os cuidados no combate aos focos do mosquito.

Várzea Grande registrou aumento dos casos notificados se comparado ao mesmo período do ano passado. Segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN-MT), desde janeiro até a data de hoje (27), Várzea Grande registrou 4.820 casos confirmados de doenças transmitidas pelo Aedes,  sendo que em 2016 no mesmo período o município registrou 2.006 casos, o que corresponde o dobro de notificações neste ano de 2017. Neste ano só de dengue, já são 2.187 pacientes diagnosticados. Para a febre chikungunya, houve 2.225 notificações ; e, para o vírus da zika, o número chega a 408 casos notificados.

As estatísticas deixam o poder público municipal em alerta. O superintendente de Vigilância em Saúde, Alysson Gomes explica que os ovos do mosquito podem passar até um ano sem água. “Nesse período chuvoso, os ovos eclodem em questão de horas. E a recomendação é não deixar o mosquito nascer. E para tanto as recomendações são simples e sempre as mesmas. Mantenha os recipientes que acumulam água limpa, como os recipientes de água dos animais sempre bem limpos e escovados e promova a troca de água pelo menos duas vezes ao dia, não deixe acumular água em vasos de plantas e deixe o quintal sempre livre de lixo. Essas dicas básicas contribuem para a redução da proliferação do Aedes”, explicou.

Ainda de acordo com o superintendente, o município através dos agentes de saúde, estão intensificando as visitas às residências a fim de aumentar o combate ao Aedes. “As regiões que apresentam maior índice de infestação do mosquito estão recebendo a visita dos agentes comunitário de saúde e de endemias quase que diariamente, em visitas de casa-em-casa. O nosso objetivo esse ano é reduzir o percentual de focos já registrados”, alerta.

Outra orientação é não criar plantas em jarros de água. “Um segredo muito importante é manter a higiene dos recipientes, de preferência manter as plantas sempre com areia ao invés de água. Se tivermos essa consciência de escovar os recipientes e cobrir, o mosquito não vai ter vez na nossa casa”, lembra.

Outra preocupação da saúde pública registrada esse ano foi a reincidência entres as doenças dengue e chikungunya. Em praticamente todos os exames notificados, as duas doenças apresentaram resultado positivo. “Essa é uma das explicações para o aumento dos casos notificados, no entanto, o fato ainda preocupa. Campanhas já em execução serão reforçadas a fim de conscientizar a população da importância da prevenção”, concluiu o superintendente.