DAE investe R$ 8 mi para ampliar serviços

Água e esgoto em Várzea Grande
DAE investe R$ 8 mi para ampliar serviços

Em 2016, foram realizadas 2.538 novas ligações de água e outras 962 de esgoto


18/12/2017    1616

O Departamento de Água e Esgoto – DAE de Vázea Grande fecha o ano de 2017 com mais de R$ 8 milhões em investimentos, sendo R$ 4 milhões em recursos próprios e outros R$ 4 mihões do sistema nacional de energia elétrica para melhorar o desempenho da captação e distribuição de água reduzindo o gasto com energia elétrica com ganho de produtividade.

“Temos investido de forma decisiva para melhorar a questão da água e do esgotamento sanitário em Várzea Grande”, disse a prefeita Lucimar Sacre de Campos apontando que na mesma proporção que o DAE/VG investe recursos próprio, por outro lado, a Prefeitura aplica recursos da ordem de quase meio bilhão do PAC. Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal e também do Tesouro Municipal para assegurar os investimentos que pretende universalizar a água e levar pelo menos 80% do esgoto tratado para toda Várzea Grande.

A prefeita lembrou que os investimentos em setores como de abastecimento de água e esgotamento sanitário devem ser continuados, ou seja, não podem deixar de ser feitos para não se ter solução de continuidade.

Segundo Lucimar Campos, com  uma média de crescimento anual de 7% em sua população , se o Poder Público protela investimentos, piora em muito a nível de atendimento com o aumento da demanda pelo consumo da água potável e na outra ponta pela produção do esgoto sanitário que necessita do correto tratamento para não tornar a água imprópria para o consumo.

Segundo o diretor presidente do Departamento de Água e Esgoto – DAE/VG, Ricardo Azevedo Araújo, mesmo diante das dificuldades financeiras do órgão, a Prefeitura tem permitido que se realize um trabalho voltado para atender a população e principalmente reduzir gradativamente a inadimplência e principalmente a perda de água, seja por desvio na rede ou por desperdício.

“Para se ter uma ideia em 2017, fizemos quase 4 quilômetros de novas redes de água e de coleta de esgoto. Pode até parecer pouco, mas é muito, por se tratar de uma obra de engenharia que demanda muitas pessoas e investimentos”, frisou o presidente do DAE/VG.

Ele assinalou ainda que durante todo este ano, foram realizadas 2.538 novas ligações de água e outras 962 ligações de esgoto, além de 15.033 reparos na rede, reforçando que todas essas ações demandam recursos, tempo e principalmente uma fiscalização eficiente, pois na maioria das vezes os reparos são decorrentes de ligações clandestinas promovidas de forma indiscriminada, o que encarece os custos do DAE/VG e piora o fornecimento de água para as pessoas.

 

Hidrometria: Consumo será medido e cobrado de todos

Outro número considerado importante e fundamental pelo DAE/VG é de 7.682 hidrometria, ou seja, consumidores que pagavam taxa mínima e vão passar a pagar pelo que consumirem, pois todo o consumo será medido.

O presidente do DAE/VG, Ricardo Azevedo Araújo, assinalou que entre os investimentos realizados, estão a troca de novos bombeadores para captação e tratamento de água.

“Com os novos bombeadores que agora são submersos, temos um menor consumo de energia elétrica e consequentemente maior volume de produto captado, tratado e distribuído, o que por si só irá melhorar a rapidez com que ofertamos o líquido para consumo”, disse.

Ele ponderou que a regularidade nos investimentos e sua continuidade permitirá que, no  futuro, se tenha a universalização da água tratada.

“É necessário que o Poder Público Municipal mantenha o ritmo de investimentos para fazermos frente a necessidade que é sempre reprimida. Para isto estamos nos aliando a parceiros para também cumprir nossos compromissos”.

Segundo Araújo, o DAE/VG trabalha em diversas frentes para melhorar o serviço prestado, como também cumprir com seus compromissos, seja, com fornecedores de produtos químicos ou fornecimento de energia elétrica, ambos essenciais para a captação, tratamento e distribuição de água.

 

Respeito: A prefeita Lucimar Sacre de Campos aproveitou para anunciar o lançamento no próximo dia 18 das obras da Estação de Tratamento de Água – ETA do Distrito de Bonsucesso.

“Vamos resgatar o compromisso e o respeito com a comunidade rural mais antiga de Várzea Grande e com seus moradores, numa clara demonstração de que nossa gestão é voltada para a integração e para atendimento dos anseios populares”, frisou a prefeita.

 

Negativação: Inadimplentes terão nomes no Serasa

Outra ação que será implementada pelo Departamento de Água e Esgoto – DAE/VG diz respeito a negativação dos nomes dos consumidores que estão  inadimplentes pelo menos 90 dias.

“Já estamos autorizados a mandar para o Serasa os pedidos de inclusão do nome dos devedores para serem negativados”, disse o presidente do DAE/VG, Ricardo Azevedo Araújo.

Ele lembrou que a entidade já fez dois mutirões fiscais juntamente com o Poder Judiciário de Mato Grosso para que os devedores pudessem acertar suas pendências e manter a regularidade e uma boa relação com a empresa.

“Somos diuturnamente cobrados, mas as pessoas precisam compreender que a política de abastecimento de água e tratamento de esgoto tem um custo elevado que necessita da contrapartida, do contrário não será possível atender a todos e com o fornecimento do precioso líquido e com serviços de qualidade”, explicou.

Ricardo Azevedo Araújo reconheceu que a autarquia que preside também tem muitas falhas e reclamações, mas pontuou que elas são decorrentes justamente da falta de investimentos nos últimos anos e que isto somente será corrigido quando os consumidores e os gestores públicos compreenderem a necessidade de se manter um investimento constante e que modernize toda a estrutura do órgão e as políticas voltadas para o setor.

Ele frisou ainda que os investimentos que estão sendo realizados pela administração municipal irão colocar Várzea Grande numa situação privilegiada, pois investir em saneamento básico e em água potável assegura uma melhor saúde pública para a população de uma maneira em geral.

Ele também apontou que investir em saneamento básico e água potável é garantir qualidade de vida para população, mas sem esquecer que isto tem custos.

Por: Da Redação - Jornal A Gazeta