Programa 'Melhor em Casa' reforça a atenção domiciliar da rede SUS em Várzea Grande

Atendimento Humanizado
Programa 'Melhor em Casa' reforça a atenção domiciliar da rede SUS em Várzea Grande

As equipes atendem em vários pontos da cidade cerca de 60 pacientes


04/02/2019    409

Formado por profissionais empenhados e dedicados a cuidar com amor da saúde daqueles que mais necessitam o 'Programa Melhor em Casa' vem transformando a vida de pessoas que dependem do atendimento médico domiciliar.  Por meio da Secretaria Municipal de Saúde de Várzea Grande, uma equipe totalmente equipada e capacitada atende cerca de 45 pacientes da rede, que por motivos de doenças possuem dificuldades em se deslocar até as unidades. O objetivo do 'Melhor em Casa' é levar atendimento médico às casas de pessoas com necessidade de reabilitação motora, idosos, pacientes crônicos sem agravamento ou em situação pós-cirúrgica, evitando internações hospitalares desnecessárias, evitando filas nos serviços de urgência e emergência. 

A equipe de profissionais é formada, prioritariamente, por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeuta. Outros profissionais como fonoaudiólogo, nutricionista, terapeuta ocupacional, odontólogo, psicólogo, assistente social e farmacêutico podem também compor as equipes de apoio, caso assim haja necessidade do paciente. O programa funciona durante toda a semana (de segunda à sexta-feira), 8 horas por dia. A equipe tem capacidade para atender em média, 60 pacientes em vários pontos da cidade. Cada paciente recebe, normalmente, uma visita semanal. Entretanto, a frequência pode ser definida conforme o estado clínico e avaliação do estado de saúde do paciente. 

O secretário de Saúde, Diógenes Marcondes, ressalta a qualidade no atendimento clínico domiciliar que o programa vem proporcionando à esses pacientes. Que além de não terem que se deslocar até uma unidade para buscar o atendimento, trouxe também maior rapidez no tratamento desses usuários. “'O Programa Melhor em Casa', representa um grande avanço no fortalecimento da atenção domiciliar no âmbito do SUS, e deve ser garantido pelos gestores nos seus municípios. Na gestão atual, oferecer a população um atendimento público de qualidade à todos os pacientes do SUS é questão a ser tratada com prioridade", diz o secretario da pasta. 

Na realização do cadastro é exigida a indicação de um cuidador, que poderá ser ou não membro da família. O cuidador será a referência da família para as equipes do Melhor em Casa. A enfermeira que coordena a equipe, Saskia Eduarda Lorenzetti Alves, fala da importância da participação da família nesse processo de atendimento para o paciente.

“A presença do familiar ou cuidador facilita novas formas de produção do cuidado e de interações com a equipe de saúde. Além disso contribui para o aprimoramento da produção do cuidado, uma vez que acaba participando do atendimento e assim se auto capacitando para quando a equipe não estiver presente, e os cuidados têm continuidade”, explica a enfermeira.

A coordenadora conta ainda que os profissionais da equipe desenvolvem um conjunto de ações, incluindo o ensinamento de hábitos saudáveis de vida, como: alimentação balanceada, prática regular de atividades físicas, convivência social estimulante, atividade ocupacional prazerosa e mecanismos para reduzir o estresse.

Dona Maurícia Chaves de Arruda, mãe do Felipe Matheus de Arruda, fala com emoção do quanto o programa mudou a vida dela e do filho. “A minha vida e do meu filho mudou consideravelmente depois que passamos a receber o atendimento do EMAD. Eu não tenho carro para levar meu filho até uma unidade de saúde, sou sozinha e não tinha a ajuda ninguém. Porém nunca deixei de levar meu filho a uma consulta médica, mas além da falta de locomoção, existe a dificuldade na demora e no deslocamento devido a situação de Felipe”, conta. Felipe tem 23 anos é deficiente físico e mental, ele recebe todo tratamento que necessita através da equipe do EMAD. Exames e outros procedimentos também são disponibilizados aos pacientes inclusos pelo Programa. 

“A atenção domiciliar visa proporcionar ao paciente um cuidado mais próximo da rotina da família, evitando hospitalizações desnecessárias e diminuindo o risco de infecções, além de estar no aconchego do lar. Nos casos em que o paciente precisa ser visitado semanalmente ou mais, ele poderá ser acompanhado por equipes específicas de Atenção Domiciliar, como as que fazem parte do 'Programa Melhor em Casa'”, explica Saskia que comanda a equipe que atua em Várzea Grande.

O programa foi instituído em 2011 e foi integrado ao Programa SOS Emergências na Rede de Atenção às Urgências no âmbito do SUS, através da Portaria ministerial nº 1.208 de 18 de junho de 2013.

De acordo com a portaria, a atenção domiciliar é interpretada como nova modalidade de atenção à saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento de doenças e reabilitação prestadas em domicílio, com garantia de continuidade de cuidados e integrada às redes de atenção à saúde (BRASIL, 2013).

Para participar do programa o paciente ou familiar deve solicitar o cadastro diretamente no Posto de Saúde onde o paciente costuma ser atendido, munido dos seguintes documentos: RG, CPF, Cartão SUS e comprovante de residência. O uso de tais documentos também facilita a marcação de consultas e exames, e garante o acesso a medicamentos gratuitos. Após o cadastro realizado de 15 a 20 dias úteis a equipe realiza visita ao paciente para averiguar a situação do mesmo e analisar se ele preenche os requisitos para participar do programa. Se depois dessa visita ele for admitido no programa, de acordo com a situação de saúde, as visitas podem ser semanais, quinzenais ou mensais.

Por: Letícia Kathucia - Secom/VG