Projeto Colcha Literária reforça alfabetização de alunos de creches em Várzea Grande 

Incentivo a Leitura
Projeto Colcha Literária reforça alfabetização de alunos de creches em Várzea Grande 

A junção de dois projetos Colcha Literária e Maleta Viajante resultou em dados positivos


17/12/2019    540

A secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande (SMECEL) encerrou na última sexta-feira (13) os trabalhos do “Projeto Colcha Literária”, que funciona junto ao “Projeto Maleta Viajante”. Os trabalhos que ainda funcionam como um projeto piloto, foram desenvolvidos no Centro Municipal de Educação Infantil, Izabel Pinto de Campos.  

A proposta da ação é desenvolver junto aos alunos e a comunidade linguagens, fala, percepção visual, atenção auditiva, organização, ampliação de vocabulário, recuperação de memória e a integração social dos envolvidos.

A coordenadora dos projetos, Sandra Regina de Souza Tudeia, explica que de acordo com a dinâmica do projeto, a criança leva para casa uma maleta contendo, uma ficha de orientação prática e teórica sobre o projeto, uma folha de papel para que a família relate como que foi a experiência da leitura e descreva como foi feito o reconto da história pela criança. Também um livro de história infantil clássica. Após cinco dias da entrega da maleta, a professora promove uma roda de conversa para que a criança descreva a experiência da leitura com sua família para os colegas de sala. A professora faz a leitura da carta escrita pela família. Logo após a criança faz a leitura hipotética/reconto para turma, de forma espontânea.

“A princípio os trabalhos estão sendo propostos para as turmas de 4 e 5 anos, que já desenvolvem o “Projeto Maleta Viajante”, inserindo o "Projeto Colcha Literária", pois já estávamos trabalhando a leitura de histórias, e assim poderíamos inserir a produção do aluno em forma de desenho da história lida com a família. A proposta do CMEI é trabalhar a leitura diariamente, no momento da leitura deleite. O objetivo do "Projeto Colcha Literária" é desenvolver a criatividade, o raciocínio, a coordenação motora fina, a dramatização, musicalidade, a criança passar para o tecido a história em forma de desenho, sendo artistas da sua própria produção. É muito gratificante ver o resultado desse projeto que ficou belíssimo, o qual as crianças ficaram encantados com suas obras de arte”, disse a idealizadora do Colcha Literária.

A professora, Zildenete Santos da Silva Moraes, fala do entusiasmo dos alunos que participaram do projeto. “Nossos alunos ficaram ansiosos para chegar logo a sua vez de levar a maleta para casa, a participação da família foi muito importante. O Projeto colabora com o ensino aprendizagem dos alunos, pois através dos livros, eles passaram a se interessar mais pela leitura, ficaram mais atentos, mais participativos, aprenderam a relatar os acontecimentos da história através das figuras, transcrever a história em forma de desenho. Muitos já conseguem ler frases pequenas dentro das histórias. O contato com os livros enriquece o conhecimento. Em todos os momentos da pintura da história para montar a Colcha Literária, eu me surpreendia cada vez mais com a riqueza de detalhes por parte dos alunos em cada pedacinho da história descrita nos desenhos”, disse a educadora.

A diretora Telma Gonçalina Almeida Curvo reforça que é  de grande importância para o desenvolvimento integral da criança esse protagonismo evidenciados nesse projeto, e que não medirá esforços para que em 2020 todos os alunos, de outros grupos etários tambémparticipem.

A aluna Mariany de cinco anos disse que gostou muito do projeto e que a família dela consegue ler todos juntos, experiência que para ela ficará marcada. “Eu gostei do Projeto Maleta Viajante porque minha mãe sentou comigo e meu irmão para ler a história para a gente. Com a história eu aprendi a cuidar das minhas coisas. Gostei de ler e vou continuar lendo outras histórias. Daí eu passei para o tecido a história das Fadas Amiguinhas em forma de desenho, o que foi muito legal”.

A dona de casa Francilene Rodrigues Teixeira, aprovou o projeto e disse que faz o que pode para incentivar o filho com a leitura. “Muito bom, pois esse já é o segundo ano que meu filho levou o livro. Esse momento aproxima o filho da gente. Eu gosto de contos viajamos na história do Aladim. É um momento que desligamos a TV, o celular e dedicamos somente a leitura da história. Lemos várias vezes e interpretamos e daí ele reproduziu a história em forma de desenho. Eu quero dizer o seguinte: Os pais podem sim trabalhar para sustentar seus filhos. Mais devem dedicar um tempo para os filhos, para conversar, para dar risada, para assistir um desenho, para aconselhar e brincar”, garantiu a mãe.

A assessora Técnica, Laura Cecília, frisa que de toda a turma se engajou ao projeto. As famílias se mostraram bastante receptivas o que possibilitou experiências maravilhosas. “As crianças perceberam a importância do projeto descreveram o processo com bastante alegria e confiança e de forma bastante diversificada, conforme as interpretações”. Laura lembra ainda que no próximo ano o projeto poderá ser ampliado e atender novas unidades. 

Por: Letícia Kathucia - Secom/VG