Caderno II retoma atividades e desperta potencialidades de jovens 

Inclusão Educacional
Caderno II retoma atividades e desperta potencialidades de jovens 

Os integrantes participam de aulas de balé; música; moda e customização; teatro e meditação/ alongamento, além de mais capacitações dos mais variados temas


27/08/2020    591

O Projeto Social Caderno II, promovido pela Prefeitura de Várzea Grande retornou as atividades lúdicas educativas no último dia 10 de agosto, com todas as medidas de biossegurança de controle da Covid-19, como uso de máscaras, álcool 70%, sabão nos lavatórios e o distanciamento dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS). O projeto oferece atividades complementares aos jovens sendo elas realizadas no contra turno do ensino regular. Neste primeiro momento, o projeto está atendendo a metade da capacidade habitual, ou seja, 100 integrantes, 50 por período. 

O objetivo do projeto é a inclusão social através do desenvolvimento das potencialidades dos adolescentes que acabam aprimorando técnicas artesanais e despertando habilidades técnicos-profissionais, além da expansão da autoestima e protagonismo.

O Projeto é direcionado para crianças e adolescentes de 12 a 17 anos, que estudam na rede pública de ensino, sendo que as atividades são realizadas em turno inverso ao da sala de aula. Os integrantes participam de aulas de balé; música; moda e customização; teatro e meditação/alongamento, além de mais capacitações dos mais variados temas.

De acordo com coordenadora do projeto, Cláudia Barros, o principal objetivo do projeto é proporcionar aos adolescentes mais uma opção educacional, que além de fortalecer a formação escolar vai contribuir para despertar os jovens para o exercício pleno da cidadania. “Uma comunidade está no caminho do desenvolvimento quando a educação da juventude passa a ser uma das principais preocupações de uma gestão pública. Precisamos oportunizar que as nossas crianças e adolescentes tenham acesso à cultura, à cidadania e à formação profissional, dessa forma teremos pessoas mais solidárias e preparadas para um mundo melhor e consequentemente, uma Várzea Grande melhor, entretanto nesta fase da pandemia, dentro das normas dos órgãos de saúde pública”, enfatiza.

A coordenadora disse que é notável os avanços obtidos desde a implantação do Projeto Caderno II. “Percebemos que o rendimento escolar dos participantes foi potencializado, além disso, os adolescentes estão tendo contato com novos conhecimentos e diferentes expressões culturais, o que é importante para despertar a criatividade e melhorar as expectativas de vida de cada um. Queremos que do nosso projeto saiam futuros professores, artistas, médicos, enfim, que os participantes tenham  oportunidades e estejam motivados para continuar estudando e buscando uma condição de vida cada vez melhor. Mas, principalmente, queremos formar cidadãos que compreendam os verdadeiros valores da cidadania e sejam protagonistas de suas próprias histórias”, destaca.

A prefeita Lucimar Sacre de Campos destacou que o maior legado que se pode deixar para a sociedade é a valorização das pessoas e o fortalecimento da educação, especialmente se tratando em juventude. “Além de nos preocuparmos com a construção de grandes obras, precisamos oportunizar que as pessoas da nossa comunidade, especialmente os jovens, se tornem sujeitos capazes de transformar a sociedade de forma positiva, para isso é fundamental o fortalecimento da educação e de projetos sociais como o Caderno II. Não é um governo sozinho que vai mudar a realidade de uma cidade ou de um país, mas sim, a ação coletiva e consciente de todos”, sublinhou a prefeita.

Vale destacar que o refeitório do local está todo demarcado com distanciamento de 2mts entre os estudantes para a realização das alimentações diárias que são oferecidas aos integrantes.

A aluna, Anna Paula Libania, 16 anos, do Bairro São Mateus disse que participa do projeto desde sua implantação, e as oficinas de música, teatro e balé são suas preferidas. “Este projeto transformou minha vida, pois eu era muito tímida e este comportamento ruim já não existe mais na minha vida. “O teatro me desenvolveu como pessoa, o balé me ajudou na disciplina de vida, já a música transformou minha relação com minha família. Posso garantir que o projeto revolucionou minha vida”, destaca a Anna Paula.

Por: Cláudia Joséh - Secom/VG