Alunos da Rede Municipal de Ensino de Várzea Grande participam de gincana em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente
PARQUE BERNECK

Alunos da Rede Municipal de Ensino de Várzea Grande participam de gincana em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente

Cerca de 30 alunos da Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) Abdala José de Almeida desfrutaram de uma manhã cheia de brincadeiras, palestra, exposição de plantas e animais taxidermizados, sorteio de brindes e distribuição de mudas de plantas, oriundas do viveiro localizado no próprio parque, integrando o projeto 'Várzea Grande Sempre Verde'

A Prefeitura de Várzea Grande realizou, nesta sexta-feira (3), uma gincana educativa em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho), no Parque Municipal Bernardo Berneck. No local, cerca de 30 alunos da Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) Abdala José de Almeida desfrutaram de uma manhã cheia de brincadeiras, palestra, exposição de plantas e animais taxidermizados, sorteio de brindes e distribuição de mudas de plantas, oriundas do viveiro localizado no próprio parque, integrando o projeto “Várzea Grande Sempre Verde”.

A ação foi desenvolvida por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS), em parceria com a Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (SMECEL). De acordo com a gerente de Educação Ambiental da SEMMADRS, Adriana Alves Anunciação, uma equipe composta por sete servidores (biólogos, pedagogos, engenheira ambiental e assistente social) realiza atividades educativas todos os dias - sendo três vezes por semana, em escolas municipais, estaduais e particulares, e duas vezes por semana em comunidades, cooperativas e demais entidades – sempre com o objetivo de conscientizar sobre a importância de preservar a natureza. 

“A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável se preocupa tanto com os adultos, quanto com as crianças, que são formadoras de opinião. Realizamos blitze educativas, workshops, palestras e cartilhas. E hoje recebemos os alunos da Escola Abdala para esse dia interativo em comemoração ao Dia do Meio Ambiente, com gincanas educativas, exposição da nossa fauna e flora presentes no Parque Berneck e na região do Cerrado. É uma aula em que a gente adota o lúdico como forma de implantar o conteúdo de uma forma gostosa. Cada público tem uma didática, mas todos com a finalidade de despertar a consciência de preservação do meio ambiente”, afirma a gerente de Educação Ambiental.

De acordo com Helena Fernandes, coordenadora da Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) Abdala José de Almeida, localizada no bairro São Mateus, a educação ambiental é feita de maneira constante na unidade. “Nós estamos sempre abordando a questão da preservação e dos cuidados com o meio ambiente e de que planeta queremos viver no futuro, através de várias atividades, como assistir filmes relacionados ao tema, temos uma horta pedagógica para ensinar a importância de se alimentar com os produtos que vêm da natureza, temos também um lindo bosque onde as crianças plantam e fazem visitação. Hoje, estamos com essa atividade diferente, onde eles conseguem ver na prática o que aprendem na teoria. A ideia é que eles desenvolvam as habilidades de cuidado e preservação do meio ambiente, pois o futuro depende deles”, explica.

O Batalhão Ambiental da Polícia Militar também marcou presença no evento, levando a exposição de animais taxidermizados e também realizando a palestra sobre o meio ambiente, em que foi explicado que todos nós somos o meio ambiente e que a preocupação deve começar por nós mesmos, pois disso parte o entendimento de que é preciso cuidar da casa, do bairro, da cidade e do planeta como um todo para garantir os recursos naturais necessários à vida. Na oportunidade, o sargento Rogério Rodrigues e o cabo Martins levaram uma jiboia viva para explicar as peculiaridades da serpente e que, em caso de surgir um animal silvestre no ambiente doméstico, a conduta adequada não é ferir ou matar o animal, mas sim ligar para o 190, pois a Polícia Ambiental ou o Corpo de Bombeiros fará a captura e posterior soltura do bicho em local seguro.    

Em relação à exposição de animais taxidermizados, o sargento Rogério Rodrigues destacou que são todos oriundos de operações de resgate e apreensões. “Todos os animais têm um histórico e é uma história de sofrimento. Por exemplo, um filhote de anta que morreu naquela grande queimada do Pantanal. Nós a trouxemos viva, mas ela não resistiu e ainda tem os traços de queimadura. O couro de cobra sucuri apreendido com um criminoso que matava o animal para vender o couro. Um sinimbu encontrado morto em um bairro em que crianças o apedrejaram”, relatou.

Em meio aos risos de entusiasmo dos colegas e após tanta diversão e conhecimento, Matheus Henrique Conceição de Oliveira, 10 anos, aluno do 5º ano, contou que vai compartilhar o aprendizado com o pai, a mãe e a irmã. “Eu achei muito legal! Aprendi muitas coisas sobre a preservação do meio ambiente. Gostei mais da parte que falou sobre a cobra porque quando a gente está longe, ela não ataca a gente e que se aparecer na nossa casa, tem que chamar a Polícia e o número é 190”.