Moradores de assentamento em Várzea Grande descobrem potencial da terra em curso de ovinocultura
OVINOCULTURA

Moradores de assentamento em Várzea Grande descobrem potencial da terra em curso de ovinocultura

A ideia é exatamente fomentar a ovinocultura entre os pequenos produtores para ampliar o mercado no município

Um grupo de moradores do assentamento Nossa Senhora Aparecida 1, mais conhecido como Sadia 1, participou, ao longo desta semana, do curso de ovinocultura com foco na produção comercial de cordeiro para corte, oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT) por meio de parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS) e o Sindicato Rural de Nossa Senhora do Livramento.

Durante o curso, os pequenos agricultores familiares descobriram que a atividade é a que melhor se adequa às condições do solo da localidade onde vivem, conforme explica o engenheiro agrônomo e instrutor do curso, Giogio Kuyumtzief.

“As condições do solo deste assentamento são impróprias para a maioria das atividades, inclusive a atividade leiteira. Por outro lado, os ovinos preferem um ambiente como este, mais árido. Esta é a grande oportunidade que eles têm de ter uma renda fácil de obter porque o ambiente é propício. Com 4 hectares de capineira bem plantada, você alimenta o ano inteiro um rebanho onde tenha 100 matrizes e o que vem com ela, vai dar quase 200 cabeças. E não precisa irrigação. Para isso, vai ser necessário muito apoio da Prefeitura para que os produtores daqui tenham a estrutura necessária para poder aproveitar essa atividade como uma fonte de renda”, avalia o especialista.

Segundo o coordenador de Desenvolvimento Rural Sustentável da SEMMADRS, Jhonattan Fernandes, a ideia é exatamente fomentar a ovinocultura entre esses pequenos produtores para ampliar o mercado no município. “Trouxemos o curso pra despertar o interesse deles em trabalhar com ovinos porque nós temos um frigorífico em Várzea Grande que precisa de animais. Como na Baixada Cuiabana não tem muita produção, ele está tendo que trazer de outros estados para fazer o abate. Então, esse curso foi para eles entenderem como funciona o processo de manejo dos ovinos para que eles possam, num futuro próximo, estar fornecendo para o frigorífico. Esse desejo tem que partir deles”, afirma.

O objetivo de despertar o interesse entre os moradores do assentamento surtiu efeito. Conforme o vice-presidente da Associação dos Agricultores do Projeto de Assentamento Nossa Senhora Aparecida 1, José Ribamar Souza Oliveira, que participou da capacitação, ele e os vizinhos já estão pensando em criar uma cooperativa. “Com fé em Deus, eu acho que vai dar certo. Depois desse curso, nós vamos fazer um grupo para ver por onde nós vamos começar. Precisamos fazer um planejamento. Estamos animados!”, diz.

Quem também se aprimorou na ovinocultura foi Luís Carlos do Nascimento Marques, que já cria algumas cabeças de cordeiro, além de gado, porco e galinhas. Ele avaliou positivamente a experiência. “O professor nos ensinou muito bem. Como a gente já cria, já conhece algumas coisas, mas ele veio e reforçou e ainda ensinou coisas que não sabíamos, como identificar doenças e tratar, identificar a necessidade e fazer aplicação de vermífugo, cruzamento de raças, questão de alimentação, ensinou a fazer silagem prática e fácil”, conta.