Secretaria de Meio Ambiente convida população a debater plano de manejo do Tanque do Fancho em audiência pública
GESTÃO PARTICIPATIVA

Secretaria de Meio Ambiente convida população a debater plano de manejo do Tanque do Fancho em audiência pública

Estudo diagnóstico está disponível para consulta popular prévia no site da Prefeitura

A população várzea-grandense terá a oportunidade de conhecer e opinar sobre o diagnóstico ambiental para elaboração do plano de manejo da área de proteção ambiental (APA) Tanque do Fancho, na audiência pública que será realizada na próxima quarta-feira (30), às 18 horas, na Câmara Municipal. O evento também será transmitido ao vivo pelo canal da Prefeitura no YouTube.

O estudo diagnóstico foi realizado por uma empresa privada, mediante compensação ambiental, e está disponível para consulta popular no site da Prefeitura. Para baixar o material zipado, basta clicar no banner que aparece na página inicial do portal ou fazer aqui o  download dos arquivos

Com o plano de manejo que será aprovado, será possível realizar melhorias para a Área de Proteção Ambiental Tanque do Fancho, popularmente conhecido como Parque Tanque do Fancho. O estudo é amplo e conta com 4 volumes, que abordam análise da região da unidade de conservação, contexto socioeconômico da Área de Proteção Ambiental Tanque do Fancho, planejamento e normas gerais da unidade de conservação, diagnóstico da situação atual, programas de operacionalização, de regularização fundiária, de pesquisa e monitoramento ambiental, de uso público e educação ambiental, de comunicação social, projetos específicos, monitoramento e avaliação da efetividade do plano de manejo.

Conforme o relatório, as informações levantadas sobre os ambientes físico, biótico e social do Tanque do Fancho subsidiam a construção do processo de planejamento e elaboração do plano de manejo ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA).

Criada pelo Decreto Municipal nº 20/1996, a APA Tanque do Fancho tem uma área total de 4.979 hectares no perímetro urbano de Várzea Grande e foi instituída com as finalidades de proteger e conservar a biodiversidade representativa do local, ficando proibida qualquer atividade que represente risco à área, inclusive no seu entorno, num raio de 100 metros.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável, Célio dos Santos, o estudo que foi elaborado por técnicos e será discutido com a sociedade durante a audiência pública, o que é de extrema importância para que todos possam dar sua contribuição. “O cidadão vai poder emitir sua opinião, fazer suas críticas e sugestões. Nessa fase de debate, as expectativas da sociedade precisam ser levadas em consideração. Após o diálogo com a sociedade, vem a execução do projeto”, explica.