Prefeitura e Banco do Brasil assinam convênio para ação social no Residencial São Benedito

Inclusão Social
Prefeitura e Banco do Brasil assinam convênio para ação social no Residencial São Benedito

O Trabalho Social beneficiará mais de 1.200 pessoas


21/08/2018    178

Foi assinado convênio entre a Prefeitura de Várzea Grande e o Banco do Brasil para execução de trabalho social a ser realizando no residencial São Benedito etapa 1, do Programa do Governo Federal, Minha Casa, Minha Vida, no valor de R$ 395.910,00 , recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), o que vai beneficiar 1.200 famílias.

O ato de assinatura ocorreu na manhã desta terça-feira (21), no gabinete da prefeita Lucimar Sacre de Campos e contou com a participação da Gerente Geral do Banco do Brasil,Gislene Aparecida Peperário, e do superintendente da instituição bancária de Várzea Grande Marcos, Paulo Bancow.

O convênio vai permitir que a Secretaria de Assistência Social possa realizar o Projeto Social Preliminar (PTS-P), que é o levantamento de dados e diagnóstico das famílias para a preparação do Plano de Desenvolvimento Socioterritorial (PDST). Já nesse período serão realizadas ações de geração de renda, oficinas, palestras e cursos obedecendo aos Eixos de acordo com a Portaria nº 21, que rege sobre as obrigações sociais do Programa Federal.

Para a prefeita Lucimar Sacre de Campos, a articulação e a participação dos beneficiários com movimentos sociais, inclusos nas redes de Assistência Social, organizados em associações, conselhos, fica mais fácil interagir com o Poder Público buscando melhorias para a localidade onde vivem.

“Para se ter uma ideia o residencial São Benedito etapa 1 é constituído de 498  unidades habitacionais, localizado na região do Grande São Matheus  e Parque Sabiá em nosso município. Significando que moram cerca de 1.200 pessoas ou mais só nesta etapa. As casas foram construídas sem os equipamentos públicos. Eles necessitam de unidade de saúde, espaço de lazer, escola entre tantas outras necessidades. Este Diagnóstico vai mostrar para nós o que é mais urgente. Fora isso a prefeitura já está construindo na Região uma unidade escolar e uma creche, o que vai minimizar os problemas de acesso das crianças em uma unidade escolar. Vão poder estudar perto onde residem. Este é o propósito deste convênio dar mais qualidade de vida a todos”, explicou a prefeita.

Para a Gerente Geral do Banco do Brasil, Gislene Aparecida Peperario, Várzea Grande tem necessidades urgentes e o Banco do Brasil linhas de financiamentos para ajudar no desenvolvimento socioeconômico da cidade. “Várzea Grande é uma cidade promissora, e hoje têm uma gestão forte, que mantém suas certidões negativas em dia e paga seus fornecedores. São pontos avaliados pelo Banco como fortes indicativos de se estabelecer e fornecer linhas de crédito. É o que estamos em curso hoje com a linha de financiamento que está em execução e o município cumprindo suas etapas, no asfaltamento da cidade com crédito de R$ 20 milhões. E após este financiamento a instituição bancária já estuda novas parcerias, para que Várzea Grande continue crescendo e desenvolvendo”, disse a gerente geral.

 A secretária de Assistência Social, Flávia Omar, disse que o crédito concedido pelo Banco objetiva a articulação de políticas públicas, o apoio e a implementação de iniciativas de geração de trabalho e renda, visando à inclusão produtiva, econômica e social, de forma a promover o incremento da renda familiar e a melhoria da qualidade de vida da população moradora do residencial e ainda fomentando condições para um processo de desenvolvimento socioterritorial de médio e longo prazo.

“O Trabalho Social é um conjunto de estratégias, processos e ações, realizado a partir de estudos e diagnósticos integrados e participativos do território. Nesse diagnóstico são compreendidos dimensões: sociais, econômicas , produtiva, ambiental e político institucional do território e dos moradores daquela localidade. Após será feita a inclusão produtiva coerente com o potencial econômico e as características culturais da região, além de  promover capacitação profissional e estímulo à inserção no ensino formal, especialmente de mulheres chefes de família, em situação de pobreza extrema, visando à redução do analfabetismo, o estímulo a sua autonomia e à geração de renda”, explicou.

A secretária destacou ainda que a conquista de uma moradia representa uma vitória, fortalece a base familiar e garante um futuro com tranquilidade e segurança. “Agora vamos promover o diagnóstico urbano social e concentrar esforços no assessoramento as famílias e grupos organizados no território para consolidação dos ganhos obtidos com a nova condição habitacional”.

Por: Da Redação - Secom/VG